domingo, Julho 20, 2014

"Quem manda?"

Texto publicado originalmente no Novo Panorama (ver em http://novopanorama.com/?p=7751 )



Recorrentemente perguntam-me, “mas quem é que decide/manda na Câmara Municipal de Ponte de Lima?“. Recordo algumas situações desde o último mês de Janeiro.

O ano entrou com uma polémica, a nunca antes vista festa de final de ano que a Câmara organizou numa freguesia teve a actuação da mesma banda que actuou nas comemorações da vitória do CDS nas últimas autárquicas. A decisão, pelo que se leu na comunicação social, foi do vice-presidente Gaspar Martins, a banda foi contratada por ajuste directo. Apesar do pedido de explicações, estas nunca foram dadas, porque, segundo o vice-presidente Gaspar Martins, tudo se procedeu de uma forma normal, já o presidente da Câmara afirmou que nem tinha reparado…
Em Fevereiro, o vereador do PSD, Manuel Barros, solicitou informação sobre o processo de muito alta tensão que aparentemente esventraria o concelho de Ponte de Lima. Descobriu-se que o processo era do conhecimento do presidente e do vice-presidente da Câmara já pelo menos há um ano. Este último tinha participado em reuniões e por sua ordem tinha sido enviado um email onde se traçava o percurso de preferência  da “câmara” limiana. Gaspar Martins nunca colocou esse assunto a discussão do executivo municipal, nem nunca, simplesmente, se opôs à passagem da linha, isto até o assunto ser do domínio público…

No final de Maio, Gaspar Martins decide colocar um monumento ao Santiago entre as pontes medieval e romana. A população manifesta-se contra, a oposição critica em uníssono e pede para que o monumento seja colocado noutro espaço, o próprio autor do monumento reconhece que aquele não é o melhor local. Gaspar Martins, o vice-presidente da Câmara, desvaloriza as críticas afirmando que estas vêm daqueles que só criticam e que estão sempre contra tudo…

Depois disto, o vice-presidente ainda tem a confiança do presidente, não tem? Voltando à pergunta inicial, existem dúvidas?

quarta-feira, Junho 25, 2014

Assembleia Municipal de Ponte de Lima de 21 De Junho 2014

Na última reunião da Assembleia Municipal de Ponte de Lima propus, em nome do grupo do PSD, um voto de louvor aos atletas limianos Nuno Barros e Rui Lacerda pelos títulos europeus que conquistaram. A proposta foi aprovada por unanimidade.
Questionei novamente o senhor presidente da Câmara sobre a questão da toponímia na Além da Ponte, na freguesia de Arcozelo, bem como em que situação estariam as prometidas obras em arruamentos de Arcozelo. Infelizmente o senhor presidente da Câmara não me soube esclarecer sobre estes assuntos.

sábado, Abril 12, 2014

Artigo no jornal Novo Panorama


(Este é o primeiro artigo desde que o Novo Panorama passou exclusivamente a formato digital - http://novopanorama.com/ )

Uma verdade inconveniente 

Durante o mês passado, todas as dúvidas, se é que ainda existiam algumas, foram dissipadas. A Câmara Municipal de Ponte de Lima funciona num género de oligarquia. O vice-presidente vai a reuniões, decide e depois comunica ao presidente. Os restantes membros só existem para validar a gestão corrente, o restante está reservado à "câmara alta", para aproveitar as palavras do ex-vereador da Câmara de Ponte de Lima e presidente nacional da Juventude Popular, Miguel Pires da Silva. O caso da rede de muito alta tensão veio passar o atestado de óbito à velha tradição centrista de exercer o poder autárquico, a tradição de Abreu Lima e de Fernando Calheiros. 
Não é que o vice-presidente e o presidente de Câmara sabiam da intenção de esventrar o concelho limiano com uma linha de muito alta tensão, participaram em reuniões com os promotores, deram opiniões sobre o melhor percurso e não deram conhecimento nem aos restantes membros do executivo, nem às populações? Só vieram a público, com várias declarações contraditórias, porque o vereador do PSD levantou o assunto em reunião de Câmara. 
Mesmo com os membros da maioria CDS-PP desautorizando o seu executivo (de relembrar que o presidente da Câmara, em entrevista à comunicação social, declarou ser inconsciente opôr-se sem alternativa ao projecto) ao associar-se à oposição numa declaração de repúdio total à passagem da linha de muito alta tensão pelo concelho limiano, mesmo assim, os responsáveis autárquicos continuaram impávidos e serenos, sem assumirem a suas responsabilidades e achando, inclusive, que é assim que, numa democracia, os eleitos devem agir. Escondendo, escamoteando, negando as evidências até ao limite.

Ponte de Lima no Parlamento Europeu?
Daniel Campelo aceitou o modesto 14* lugar da lista da aliança PPD/PSD - CDS/PP. Mas será assim tão modesto? Não, não é. Fontes internas do CDS/PP já dão como certo que Daniel Campelo irá substituir a oitava, caso está seja eleita. O acordo assim o permite, esperemos pelos próximos episódios.

Obras de restauro
O leitor tem entrado ultimamente na igreja matriz de Ponte de Lima? Não? Então tem perdido as obras de restauro de um dos altares laterais que em breve voltará a ter o brilho e dourado de outrora. Estamos ansiosos por ver o resultado de tão laboriosa empreitada.

Qual o impacto?
De quinze em quinze dias temos uma feira ou feirinha no parque de estacionamento da expolima. Não será de quinze em quinze dias, mas, como afirmou um empresário de sucesso, são muitas e pouco estruturadas. Deveriam ser menos, melhor pensadas e com um claro objectivo de projectar o concelho e os seus produtos diferenciadores, não para o mercado interno, mas para o mercado externo. Para isso, o município teria que olhar para essas 2 ou 3 feiras ( não deveriam ser mais) como um produto que serve como montra para o exterior. 
Continua-se a tapar o sol com a peneira...

quinta-feira, Fevereiro 20, 2014

Artigo no jornal Novo Panorama


Artigo publicado no Novo Panorama em 12-02-2014

Desconhecimento, esquecimento ou omissão?

O ano político limiano começou com a polémica festa de passagem de ano na freguesia de Freixo. O PSD, em reunião de Câmara e em comunicado, questionou algumas decisões que envolveram a festa. Uma das dúvidas levantadas foi relativa à contratação por ajuste directo do grupo musical que actuou na festa. Seria ou não o mesmo que tinha actuado há pouco mais de 2 meses na festa de vitória do CDS? O presidente da Câmara, em declarações ao jornal Cardeal Saraiva, afirmou não se ter apercebido de que o conjunto era o mesmo, já o seu vice-presidente em reunião de Câmara respondeu afirmativamente. Porque não é saudável prevalecerem dúvidas, torna-se imprescindível que o presidente da concelhia do CDS-PP de Ponte de Lima, que é também o presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, torne público, o mais rapidamente possível, a factura da actuação do grupo musical que actuou no dia da vitória autárquica do CDS-PP.

Desprendimento presidencial

Soubemos recentemente que o presidente da Câmara de Ponte de Lima providenciou um autocarro para que alguns limianos se deslocassem a um programa de televisão. Não um autocarro municipal, mas um de uma empresa privada, como fez questão de frisar um representante dos contemplados pelo mesmo. 
A verdade é que o regulamento de utilização de autocarros municipais, por proposta da maioria, está ainda mais apertado pelo que o grupo informal não teria enquadramento para a utilização de um veículo municipal, ora Vítor Mendes resolveu a título pessoal "arranjar" um autocarro privado. Caros leitores, devem estar a pensar o mesmo que eu, aparentemente os grupos formais e informais do concelho que não se enquadrem na utilização de autocarros municipais podem contar com a benevolência e dádiva de Vítor Mendes que parece disponível para, "a título particular", arranjar transporte para as suas deslocações...

Mudanças 

É notória a mudança de atitude do executivo municipal face ao mandato anterior. A razão não é difícil de descortinar, finalmente, depois de 4 anos, existe uma oposição que tem um projecto para o concelho, que é esclarecida, que não segue o caminho do populismo e da política do espetáculo. Discorda quando tem que discordar, concorda quando tem que concordar, mas acima de tudo tem argumentos e fundamentação para as suas posições. É por isso que a sua opinião, apesar de minoritária, tem já influenciado várias decisões do executivo municipal.
É assim que deve ser a oposição, infelizmente nem todos os agentes políticos pensam assim...

Inócuo 

Na última reunião do executivo municipal de Ponte de Lima, o vereador eleito na lista do Movimento 51 propôs, após dois considerandos genéricos de 3 linhas cada, a criação do seguinte:
"... Provedor do Munícipe; Provedor do deficiente; Provedor do Idoso; Provedor do jovem; Provedor do Emigrante e Imigrante; Provedor do agricultor; Provedor do comerciante; Provedor do Empresário..." 
Sem que mais nenhum argumento conste na proposta para além desta listagem ficamos a saber que, no mínimo e aparentemente, para o eleito pelo Movimento 51, o deficiente, o idoso, o jovem, etc não são munícipes...

quarta-feira, Dezembro 25, 2013

Assembleia Municipal de Ponte de Lima

A Assembleia Municipal de Ponte de Lima aprovou, por proposta minha, o seguinte...


PROPOSTA 

 
Considerando que o reverendo padre Manuel Barbosa Miranda serviu ao longo de meio século as populações do concelho de Ponte de Lima, com destaque para os 48 anos a desempenhar as funções de pároco de Santa Marinha de Arcozelo;
 
Considerando que sempre desempenhou com grande zelo e espírito de sacrifício as suas funções, promovendo, de forma discreta, sem pedir nada em troca, a caridade cristã, ou como agora se encontra em voga, a solidariedade, privando-se do merecido conforto e descanso para servir os outros;
 
Considerando que marcou, de forma exemplar, a vida de várias gerações de limianos, quer nas paróquias onde desempenhou funções, quer como docente na Escola Secundária de Ponte de Lima.
 
Considerando que por motivos de saúde, o reverendo Padre Manuel Barbosa Miranda deixou de exercer funções no nosso concelho, proponho que a Assembleia Municipal de Ponte de Lima, reunida no dia de hoje, 21 de Dezembro de 2013, aprove:
 
a)      Um voto de reconhecimento e de louvor ao senhor padre Manuel Barbosa Miranda.

quinta-feira, Dezembro 19, 2013

Artigo no jornal Novo Panorama

Artigo publicado no Novo Panorama em 12-12-2013


"Olha para o que digo não para o que faço"

Este provérbio atribuído a um frade de nome Tomás é seguido por muitos, que, estando na vida política, deveriam saber que o que dizem será confrontado com as suas acções. Na leitura dos jornais locais, chamou-me a atenção a entrevista de Paulo Morais a uma revista local. A Alto Minho fazia manchete com uma frase em que Paulo Morais sugeria que a oposição em Ponte de Lima era submissa ao poder instalado. No corpo da entrevista, o ex membro da Assembleia Municipal de Ponte de Lima dizia que no concelho limiano havia uma espécie de CDS A, B e C... Ao mesmo tempo, regozijava-se por ter cumprido do início ao fim o mandato como membro da Assembleia Municipal de Ponte de Lima. Como eu próprio foi membro da Assembleia Municipal de Ponte de Lima, do mesmo grupo de Paulo Morais, não posso deixar de estranhar as suas palavras. Certamente não quereria avaliar os restantes membros com base na sua "prestação" enquanto membro daquele supremo órgão autárquico. O leitor poderá ouvir as intervenções de Paulo Morais na Assembleia Municipal para fazer o seu juízo, mas desde já lhe digo que será uma tarefa complicada, uma vez que as intervenções foram poucas e pouco trouxeram de novo ou de diferente. 
Paulo Morais critica a falta de oposição em Ponte de Lima, mas durante os 4 anos que esteve na oposição nada fez, nada propôs de forma a influenciar a forma de fazer oposição. Pelos apoios que foi dando nas últimas eleições autárquicas, para Paulo Morais, oposição é escrever um género de minuta com uns espaços em branco para preencher conforme os pontos a votação, para justificar o voto de abstenção. Claro que, comparado com isso, as propostas feitas pelo partido a que pertenceu ou as propostas dos restantes partidos da oposição nada valeram, aliás as propostas só poderiam ser encapotamentos de "negociatas" ou fruto da submissão destes ao presidente da Câmara...
Paulo Morais fala bem, tem boa imprensa, é mesmo o vice-presidente mais conhecido de Portugal, só não se percebe por que durante estes 4 anos não passou da teoria à prática. Deve ter sido por causa da demagogia e corrupção que reina dentro dos partidos, a mesma que faz com que pessoas oriundas e residentes no coração do Alto Minho entrem para militantes de um partido, pelo Porto...

Mudanças 

Em breve teremos eleições para o PSD e PS limiano. Perspectivam-se novos tempos, tempos de mudança.
Ao contrário do que alguns gostam de sugerir, há uma nova visão, uma nova geração que quer participar na vida da sua comunidade e que sabe que a acção política deve ser feita de forma transparente e que nada melhor do que levar essa forma de estar e viver a "res publica" aos pilares da democracia moderna, que são os partidos políticos. 

Final do ano

Termina 2013, um ano de mudanças, dificuldades, de expectativas. Para muitos foi um verdadeiro ano horrível. Olhamos para a nossa comunidade e vemos como muitos dos nossos vizinhos, familiares tiveram de emigrar, ou então entraram em situação de desemprego. O próximo ano parece vir a ser a mesma coisa, mas não devemos perder a esperança. Lia algures que faz parte endémica do cristianismo a esperança (as virtudes teologais são Fé, Esperança e Caridade), por isso os nossos antepassados conseguiram ultrapassar dificuldades terríveis, desde invasões a epidemias. 
Aproveito este tempo de advento, um tempo de esperança, para desejar que 2014 seja um ano que traga luz, um raio de luz de esperança num futuro que terá de ser construído pela comunidade. Um novo ano em que não nos deixemos levar por palavras "doces", mas por caminhos que, embora custosos, nos levem ao destino que nos propomos. A todos os leitores, que vão passando por aqui, desejo um feliz e Santo Natal e um Bom 2014. 

segunda-feira, Novembro 18, 2013

Artigo no Novo Panorama

Artigo publicado no Novo Panorama em 07-11-2013

Reinício

Com a tomada de posse de todos os órgãos autárquicos, eis que se iniciam os trabalhos. A primeira reunião da Câmara Municipal ficou marcada pela proposta apresentada pelo Presidente da Câmara para que, no fundo, se dividissem os pelouros, que anteriormente estavam distribuídos por um vereador a tempo inteiro e outro a meio tempo, por dois a tempo inteiro e um a meio tempo. Ora, como os tempos não estão para gastos supérfluos e porque hoje a Câmara Municipal tem nos seus quadros gente competente, o vereador do PSD e líder da oposição, Manuel Barros, recorrendo a estes argumentos, votou contra tal proposta. Infelizmente, como de previsto, a proposta foi aprovada pelos vereadores da maioria, os mesmos que passarão a exercer funções a tempo inteiro e a meio tempo...

Super vereador

Depois do aumento dos vereadores a tempo inteiro, o presidente da Câmara de Ponte de Lima reservou mais uma surpresa, o aumento de pelouros do seu reconduzido vice-presidente. Gaspar Martins, que já no mandato anterior tinha uma concentração enorme de pelouros, consegue ainda, neste mandato, aumentá-los. Caro leitor, só mesmo lendo é que vai acreditar e por isso passo a transcrever o que se pode ler no site do município, "Gaspar Martins mantém a Vice-Presidência e assume os pelouros do Trânsito e Sinalização; Parque de Viaturas, Parques de Estacionamento; Águas e Saneamento; Feiras Quinzenais, Mercado Municipal, Mercado do Gado; Apoio às Juntas de Freguesia; Obras Públicas; Desenvolvimento Empresarial; Processos Eleitorais e Recenseamento Eleitoral; Ambiente e Espaços Verdes (Higiene, Limpeza e Recolha de Resíduos Sólidos Urbanos) e Cemitério Municipal." Daqui verificamos que, primeiro Vítor Mendes deixou de achar importante a área do Ambiente e Espaços Verdes que deixou de ter um vereador a tempo inteiro passando a ser mais um pelouro do leque do vice-presidente, segundo que o município continuará a estratégia que tem dado os conhecidos maus resultados no que concerne ao Desenvolvimento Empresarial. Somos um dos concelhos portugueses com menor poder de compra per capita (ver dados do INE) e porquê? Porque as políticas seguidas pelo município de Ponte de Lima não têm tido os resultados esperados e expectáveis, o nosso concelho não tem conseguido atrair investimento, desenvolvimento, emprego. Infelizmente, parece que não teremos grandes novidades neste novo mandato... 

Fim de ciclo

Este mês de Novembro, será o último em que exerço a função de juiz da Irmandade de Santo António da Torre Velha. Ser juiz desta centenária Irmandade foi para mim um orgulho. Nestes três anos, conseguimos devolver a Irmandade aos irmãos, aumentamos o número de novos irmãos, conseguimos que outros, que se tinham afastado, voltassem à Irmandade, abrimos a irmandade à comunidade. 
Como pontos principais, destacaria a promoção do património da Irmandade, o alargamento do horários e dos dias de abertura da igreja e a reformulação da disposição do seu espaço interior de forma a torná-lo mais funcional. Colaboramos, sempre em sintonia com o pároco de Santa Marinha de Arcozelo, com outras instituições, por exemplo com o Albergue de Peregrinos, ou o Museu dos Terceiros. 
Apostamos fortemente na festa religiosa do padroeiro onde imperou a unanimemente reconhecida qualidade dos sacerdotes que por lá passaram ( deixo um reconhecimento público ao pároco da Sé de Viana do Castelo, Monsenhor Armando Dias, e ao padre Doutor Vasco Gonçalves). Conseguimos ainda que a Irmandade, os irmãos, passassem a integrar novamente as manifestações religiosas da paróquia e do arciprestado. 
Mas nem só de pontos positivos se salda esta experiência. Enfrentamos a realidade social da nossa comunidade. Em 3 anos, o património da Irmandade foi alvo de cerca de uma dezena de roubos ou tentativas de roubos, resultando num elevado prejuízo, não pelo material roubado, mas pelos danos provocados no património. Também negativo foi o facto de o poder autárquico não perceber que a Igreja de Santo António da Torre Velha é, a par da ponte medieval, o património edificado mais fotografado de Ponte de Lima, que a Irmandade não precisa de apoio para foguetes e bailaricos mas sim para recuperar e manter o património que no fundo é de toda a comunidade. Infelizmente, em 3 anos, apenas encontramos palavras doces, simpáticas e promessas, quando o que necessitávamos era de apoio e acção. Apesar de tudo, a Irmandade de Santo António está agora solta dos grilhões de um passado recente e pronta para os novos desafios que sei que a nova direcção saberá enfrentar.

segunda-feira, Setembro 23, 2013

Artigo no Novo Panorama

Artigo publicado no Novo Panorama em 05-09-2013

Feiras Novas

Caro leitor, é inevitável que neste número, coincidente com a última das grandes festas do Alto Minho, tenha como primeiro tema as Feiras Novas.
As festas do nosso concelho são esperadas ansiosamente, ano após ano, e quando chegam são vividas intensamente deixando sempre um sentimento de terem passado rápido de mais.
A tradição é passada de pais para filhos, os limianos nutrem pelas suas festas amor e orgulho.
As Feiras Novas são umas festas verdadeiramente populares e especiais. Desde logo, os sons, os cheiros, os burburinhos, a animação e o colorido que enche toda a zona histórica da vila de Ponte de Lima. O orgulho de integrar o cortejo etnográfico, a honra de representar os antepassados no cortejo histórico e, acima de tudo, a emoção de integrar a procissão de N.Sra. das Dores. É o percorrer das ruas históricas de Ponte de Lima, reconhecer caras que há muito não se viam, é mostrar aos amigos, forasteiros, como a nossa terra é uma terra de grandes tradições. É o espanto perante a luz e o barulho dos espectáculos pirotécnicos, é a simplicidade de durante a madrugada ter o prazer de comer um pão com chouriço. As bandas de música que vão enchendo a "sala de visitas" de Ponte de Lima, o largo de Camões, com o seu espectáculo contagiante que junta desde os mais novos aos mais velhos. A festa é isto e muito mais, a festa é a saudade que provoca quando termina...

Pessoas marcantes

Tenho pensado nos últimos dias em como é possível alguém conseguir passar quase 50 anos ao serviço de uma comunidade, mantendo-se fiel aos princípios com que iniciou a sua caminhada nessa longa jornada. Conseguindo relevar as insinuações, mantendo-se firme na clareza de espirito e pensamento, com a capacidade de acompanhar os problemas, vivendo-os, mas olhando-os como desafios, apontando caminhos e soluções sem se impor, sem se enaltecer, fazendo como nos dizia o Evangelho de domingo passado, tornando-se o ultimo.
50 anos ao serviço de uma comunidade... Escrevo sobre o reverendo padre Manuel Miranda, pároco da paróquia de Sta. Marinha de Arcozelo, que à grande maioria desta paróquia baptizou ou casou (em norma até administrou os dois sacramentos).
A mim, marcou-me na minha formação como pessoa e como cristão. É um dos grandes exemplos de vida, de dedicação e forma de estar na comunidade. Quando vivemos tempos mais difíceis, tempos que deveriam ser de merecido descanso mas que se vão tornando em tempos de continuo trabalho, não poderia deixar de lhe dizer, Obrigado! Obrigado pela sua vida dedicada à nossa comunidade.

Nota sobre as autárquicas

Normalmente quando se debate a situação no concelho de Ponte de Lima a tendência é logo alguém dizer, "a autarquia limiana é um exemplo de gestão dos dinheiros públicos, consegue ter muito dinheiro no banco". É inegável que esta é realmente uma situação invejável, mas por outro lado é preciso ter consciência que este não deveria ser "O" objectivo último da autarquia. Infelizmente,  deixou-se de olhar para esta situação como um meio, mas sim como um fim. Ter "os cofres cheios" deve ser um meio para servir ainda melhor a comunidade, as pessoas. O dinheiro é das pessoas e não da autarquia, pelo que deve estar ao serviço das pessoas... Deve servir, por exemplo, para captar e acarinhar investimentos privados que criem emprego. Isso não tem acontecido, basta observar as zonas industriais existentes no concelho desde sempre praticamente vazias e sem vestígios de investimento.
Felizmente,  já se sentem ventos de mudanças no concelho, ainda noutro dia lia uma proposta para utilizar o espaço entretanto vazio da primária da vila de Ponte de Lima. Proponham lá colocar uma infra-estrutura de apoio ao empreendedorismo, à criação do próprio emprego, à criação de sinergias entre inovadores e empreendedores. Felizmente, esta proposta, feita por uma juventude partidária (sim, elas também fazem propostas e desafios, ao contrário dos estereótipos que alguns lhes querem impor), foi integrada nas propostas eleitorais da candidatura do PSD local. Esta é uma atitude pro-activa para o concelho de Ponte de lima Lima, um bom exemplo de como se pode por a "excelente condição financeira da autarquia" ao serviço das pessoas.

domingo, Julho 14, 2013

Artigo no Novo Panorama

Artigo publicado no Novo Panorama em 05-07-2013

No Verão  

O boné vermelho, a BMX, a toalha na mochila ou no pescoço, as sapatilhas de pano e os calções de banho, eis o "equipamento" de férias que eu e os meus amigos usávamos durante as férias na adolescência. O paradeiro era o rio Lima, entre a ponte  medieval e a "ilha" era por lá que quem nos procurasse nos encontrava. O rio e as suas margens eram o epicentro das nossas férias de Verão.
Durante esses anos fomos vendo o rio "ganhar maré" com as descargas da barragem do Lindoso. Fomos adaptando as nossas brincadeiras a esse vai-e-vem das águas. 
Chegávamos ao rio pelo inicio da tarde, como nesse tempo a areia era muita, as bicicletas eram levadas ora ao empurrão ora às costas. Depois de uma tarde passada entre corridas na areia, banhos de rio e jogos, ter que enfrentar o sol das 18 ou 19 horas de Verão no regresso a casa, na ponte romana ou na estrada do Arquinho, era algo que roçava o hercúleo...
Confesso que ao ver umas "vedetas" da televisão a banharem-se nas águas do rio Lima, me lembrei desses tempos. Lembrei-me também que as últimas análises conhecidas do público davam como interditas as praias do Arnado e D. Ana, as mesmas que em tempos tiveram bandeira azul. As mesmas que para deixarem de figurar, ano após ano, na lista negra das praias portuguesas tiveram que perder o estatuto de praias fluviais. Infelizmente os meus filhos não poderão gozar o rio como a minha geração e as outras antes da minha gozaram. 
Não sei se a Câmara Municipal pede análises a entidades credíveis e imparciais, espero que sim, a verdade é que o público não tem conhecimento do actual estado das águas nesses locais. A pergunta que fica é, será que os que ainda lá se banham, sejam eles "vedetas" ou não, podem estar sossegados? 

Projecto "Granito das Pedras Finas"

Estive presente na sessão pública de assinatura do Contrato de Financiamento entre a Autoridade de Gestão do Programa Operacional da Região Norte, o Instituto Politécnico de Viana do Castelo e o Município de Ponte de Lima. 
Este projecto tem o nome de "Granito das Pedras Finas de Ponte de Lima: afirmação da marca em novos produtos e novos mercados" - EEC - PROVERE MINHO IN e significa o financiamento, a uma taxa de comparticipação FEDER de 85%, dos "investimentos relativos à implementação de ações que visam contribuir decisivamente para a estruturação do produto "Granito das Pedras Finas", particularmente, através da sua certificação, da constituição da marca, da definição de uma estratégia de valorização comercial, incluindo a análise de canais de distribuição e identificação de mercados potenciais, e da exploração de novas soluções de design e aplicações para os produtos em granito, passando também pela promoção do ordenamento territorial da atividade e pela valorização ambiental e paisagística integrada das zonas extrativas."

Peço desculpa por esta tão longa citação, mas têm o objectivo de elucidar o leitor para o que está em causa. Este projecto só faz sentido com o envolvimento de todos, ou pelo menos da grande maioria, dos empresários do sector da exploração do granito. Infelizmente nesta sessão pública foram poucos os presentes. Bem sei que posteriormente existirão reuniões sectoriais, mas é imperioso o envolvimento destes, fazendo-os reflectir sobre a necessidade de agirem em conjunto. Este é um projecto importante que pode realmente "revolucionar" todo o importante sector de exploração do granito de Arcozelo.

segunda-feira, Julho 01, 2013

Opinião

As "altas temperaturas" das autárquicas em... http://novopanorama.com/?page_id=2800

sexta-feira, Junho 28, 2013

Assembleia Municipal de Ponte de Lima

Acabei de fazer a seguinte intervenção sobre a contratação de um Técnico Superior de Português/Francês. Infelizmente o Senhor Presidente da Câmara limitou-se a afirmar que se a divisão diz que há falta é porque faz.

"Senhor Presidente da Assembleia Municipal,
Senhores secretários
Senhor Presidente da Câmara
Senhores vereadores,
Caros membros desta Assembleia Minhas Senhoras e meus Senhores

Senhor Presidente da Câmara, na informação da necessidade de recrutamento lê-se que os processos de geminação são um dos “factores importantes para a promoção da nossa imagem no exterior, nomeadamente no desenvolvimento de novas iniciativas e na consolidação dos projectos já existentes.” As geminações com cidades francesas, se a memoria não me falha, são dos finais dos anos 80, a pergunta que surge é, que projectos empresariais existem saídos do âmbito dessas geminações? Senhor Presidente, isto para além das visitas oficiais, claro.

Posteriormente fazem alusão ao projecto "Feiras Novas em França", um projecto existente há anos e que Adelino Tito de Morais tem sido o rosto mais visível. Significa então, senhor Presidente, que o dito projecto não tem conseguido atingir os seus objectivos? Será que existe uma barreira linguística, é que pelo que tem sido noticiado as “Feiras Novas em França”, também conhecidas por “Mini Feiras Novas”, são feitas pela comunidade limiana que vive nos arredores de Paris.

Lê-se ainda que existe o putativo “interesse manifestado por empresas do Principado de Andorra”. Senhor Presidente, não sei se sabe, mas curiosamente o Principado de Andorra é o único país do mundo cuja única língua oficial é o catalão, sendo que no seu território também são falados o castelhano, o português e o francês, mas nesta ordem de números de falantes...

Finalmente lê-se que será “necessário recrutar, com carácter de urgência, um técnico superior que reúna competências relacionadas com acima exposto e com a língua francesa, para criar pontes de relacionamento e promoção do município junto das populações e regiões que privilegiam esta língua como forma de comunicação”. Senhor Presidente, sabe que a língua mais falada do mundo é o mandarim, já agora, o francês é a décima, sabendo que a China é neste momento um dos países que mais investe no mercado externo, está a pensar em recrutar um técnico superior em mandarim?"

domingo, Junho 16, 2013

Artigo no Novo Panorama

Artigo publicado no Novo Panorama em 06-06-2013
 


Tradições

 

Nos últimos anos as tradições mais importantes de Ponte de Lima, a Vaca das Cordas e as Feiras Novas, têm vindo a ser transformadas em produtos comerciais.

Se repararem as “nossas” festas deixaram de ser aquilo que foram, em alguns casos, durante séculos. Neste momento até já “exportamos” as Feiras Novas para outros recantos do mundo, para o dito “mercado da saudade”, e realizamos réplicas da Vaca das Cordas…

Estas festas passaram a ter como denominadores comuns, o consumo desenfreado de bebidas alcoólicas, bebidas brancas e cerveja (que até já as patrocina), e o barulho dito musical. Estas duas festas limianas já são consideradas, pela maioria dos jovens que as visitam, como uma espécie de extensão das festas académicas, as Feiras Novas da ”recepção ao caloiro”, a Vaca das Cordas da “queima das fitas”.

Infelizmente as nossas tradições, que passaram a produto, parecem resvalar para um género de produto enlatado em que de tradicional parece já só ter o rótulo.

Bem sei que falar disto é polémico, que para muitos esta é que é a festa e que nada mais se trata que a evolução natural dos tempos. Que é mesmo inevitável. Claro que está em causa muito dinheiro. O dinheiro dos patrocínios, das barracas de venda de cerveja, que aparecem como cogumelos, um pouco por todo o centro histórico, e, também, o dinheiro que alguns comerciantes limianos do centro histórico, nomeadamente da restauração e divertimento, que aproveitam estes eventos para suprimir as perdas do resto do ano.

Mas é preciso pensar bem naquilo em que as “nossas” festas se estão a transformar. A estratégia seguida em Ponte de Lima não tem tido a capacidade de atracção e fixação de empresas, a taxa de desemprego é das maiores do distrito, o rendimento per capita é dos mais baixos do país. Será que com este banalizar, de transformar, por exemplo a Vaca das Cordas, ou as Feiras Novas em mais uma “megafesta” revestidas com um manto da tradição, não significa matar a nossa galinha dos ovos de ouro?

O que nos distingue dos outros é precisamente a capacidade que tivemos em preservar as nossas tradições, mas pelo caminho que estamos a traçar até quando é que os “consumidores” estarão interessados no “nosso produto”, um produto que cada vez menos se distingue de outros apresentados no “mercado de eventos”?

 

Festas populares

 

Eis que chegam as festas dos santos populares e Ponte de Lima não se alheia delas. Já para a semana festeja-se o Santo António e o destaque vai para a igreja mais conhecida do concelho, que faz parte da sua imagem de marca, a igreja de Santo António da Torre Velha. Nesta igreja centram a festa no que para os cristãos é o ponto alto de qualquer festa religiosa, a eucaristia. No dia 13 de Junho a eucaristia é celebrada, às 21 horas, de uma forma ainda mais activa e participada.

Já mais para o final do mês, o S. João, é vivido com marchas populares que percorrem as ruas da vila limiana, nestas marchas participam vários bairros e mesmo freguesias do concelho que dão um colorido e uma animação contagiante. Esta é uma tradição que renasceu e que vai ganhando novamente lugar na vida dos limianos.  

quarta-feira, Maio 15, 2013

Artigo no Novo Panorama

Artigo publicado no Novo Panorama em 09-05-2013
 
 

Sim, mas...

Foram apresentadas as contas de 2012 do Município de Ponte de Lima. Debatidas na Assembleia, foram a provadas por maioria. Deixo apenas uma nota. É verdade que todos se congratulam com o saldo positivo que exemplarmente o município limiano apresenta, mas saberá o leitor que existe, por exemplo, uma divida à Câmara Municipal de venda de água, tarifa de utilização da rede de águas residuais, de perto de 500 000€? Não estará aqui reflectida as necessidades e dificuldades que as famílias limianas estão a enfrentar? Será que o tão badalado "saldo municipal" está a ser investido para por cobro a estas dificuldades? 
Já agora, e porque talvez ajude à resposta, relembro que segundo o INE, o poder de compra per capita de Ponte de Lima é um dos mais baixos da região...

Desaparecimento

No final de Abril, faleceu Margaret Thatcher a marcante primeira-ministra que conseguiu emergir, nos anos 80, o Reino Unido da profunda crise em que vivia desde o início da década de 1970. Não teve medo de enfrentar os poderes instalados, os internos e os externos, porque sabia para onde queria e devia ir.
Já esta semana, chegou a notícia que a última grande referência da democracia cristã europeia, Giulio Andreotti, tinha falecido. Nas palavras de Pier Ferdinando Casini, o líder dos centristas da UCD, “Giulio Andreotti foi a política: condensou o bem e o mal. Uma personalidade extraordinária. Um estadista internacional conhecido em todo o mundo. Um católico verdadeiro. Um grande estadista que sempre acreditou nas instituições”.
É uma página da historia mundial que se fecha, o de um tempo em que existiam Políticos que sabiam o que queriam, que ponham à frente do politicamente correcto as suas mais profundas convicções.

Referências

Por falar em referências, no passado dia 3 de Maio, o Museu dos Terceiros, em Ponte de Lima, proporcionou um serão inesquecível. Convidar D. Manuel Clemente para palestrante é sinónimo não só de tempo bem passado, mas, acima de tudo, de obtenção de conhecimento. Foram poucos os minutos que os presentes, que encheram o espaço, puderam ouvir o actual bispo do Porto, poucos porque souberam a muito pouco.
Parabéns à organização pelos temas e pela excelência dos convidados. Este ciclo de palestras continua durante o corrente mês, imperdível.

Também imperdível

Foi em Viana do Castelo, mas valeu a pena a deslocação ao Instituto Católico para participar numa tertúlia de apresentação do livro "Auto de Fé" da autoria do Padre Gonçalo Portocarrero e de Zita Seabra. Se não leram o livro, não deixem de o fazer, lá encontrarão várias perguntas e respostas sobre a fé e sobre a Igreja Católica feitas de forma aberta e directa. Pena que a organização local não tenha divulgado convenientemente este evento pela Diocese.

sexta-feira, Maio 03, 2013

Assembleia Municipal de Ponte de Lima - reunião de 29 de Abril de 2013

Intervenção feita na última reunião da Assembleia Municipal de Ponte de Lima, alínea D) Discussão e votação da "Prestação de contas do ano 2012 e inventário"




terça-feira, Abril 16, 2013

Artigo no Novo Panorama

Artigo publicado no Novo Panorama em 07-04-2013

Passou um mês desde a última crónica.
No mundo, o momento mais marcante foi, indiscutivelmente, a eleição de um novo Papa que optou pelo nunca antes escolhido nome de Francisco. Conhecido enquanto cardeal pela sua humildade, conservadorismo doutrinal, defesa da teologia moral da Igreja e do compromisso com a justiça social parece apostado em continuar este caminho. Ainda nem um mês passou, mas não há dúvida de que o novo Papa surpreendeu e cativou o mundo. O que eu senti é que o Papa Francisco, desde logo na forma como se apresentou na varanda em S. Pedro até ao que foi sendo divulgado, como nas suas homilias e intervenções, nos quer recentrar no essencial, quer-nos ajudar a perceber que as coisas grandes estão na simplicidade, na humildade, no encontro com os outros, na fraternidade, no ser com os outros. A verdade é que se tornou desde logo num exemplo.
Ao nível local o destaque vai naturalmente para a política e as autárquicas. A novidade apanhou todos de surpresa, Abel Baptista será candidato à Camara Munícipal de... Monção. Muitos desde logo comentaram que ele deveria ser candidato a outra Câmara, a de Ponte de Lima. Claro que essa hipótese está relegada para, pelo menos, o final do ciclo de Vítor Mendes. Mas, o que mais surpreendeu foi que Abel Baptista nestes últimos anos tem sido um deputado da região, nado na região e apreciado por estar sempre presente para a região. Era a cara da tese de que os representantes, os eleitos deveriam "vir" da região dos representados, era dado por muitos .como o exemplo antagónico dos ditos "políticos paraquedistas", e foi essa posição assumida desde a sua primeira eleição como deputado que chocou com a sua candidatura a Monção. Esta decisão de Abel Baptista levanta ainda outras questões, por exemplo, quem será o cabeça de lista à Assembleia Munícipal de Ponte de Lima? Será Daniel Campelo ou, como já se ouve por aí, Salvato Trigo?
Depois de muitas especulações, eis que o cabeça de lista à Câmara de Ponte de Lima, homologado pela nacional do PSD, é o presidente da concelhia limiana. Manuel Barros, técnico superior na Escola Superior Agrária de Ponte de Lima, foi eleito e exerceu vários cargos internos no PSD, é membro eleito da Assembleia Munícipal de Ponte de Lima sendo reconhecidamente um dos seus membros mais activos. O PSD aposta em alguém com experiência política, com actividade associativa e com conhecimento do concelho procurando a recuperação do desaire das eleições de 2009.
É, no entanto, evidente que o caminho dos partidos da oposição será bastante difícil. Por melhores que sejam os seus cabeças de lista a verdade é que será necessário prepararem excelentes projectos que estejam para lá dos interesses pessoais ou de grupo e bem longe da demagogia, que sejam afirmativos e não abstencionistas.


quinta-feira, Março 14, 2013

Artigo no Novo Panorama



Artigo publicado no Novo Panorama em 07-03-2013





Visibilidade…

A rádio TSF fez anos. Nas festividades, esta rádio resolveu dar voz à sociedade para além da nomenclatura que normalmente ocupa a telefonia nacional. Com isto, foi possível ouvir em destaque o grupo de teatro Unhas do Diabo, que ainda esta semana organizou a tradicional “sarrada” da velha, e Abílio Sá Lima que falou do seu programa na Rádio Ondas do Lima, "Manhãs de Sábado" que já conta com um quarto de século, e do seu gosto em “trazer as pessoas para a rádio”. Não foram só estes protagonistas que passaram na rádio de notícias mais ouvida em Portugal, foi Ponte de Lima e suas gentes…

No centro da notícia

Por falar em estar no centro da notícia, com a saída de Bento XVI toda a curiosidade se voltou para Roma e o Vaticano. O Colégio Pontifício Português passou a ser quase obrigatório em todas as televisões portuguesas, com ele o Alto Minho e a Diocese de Viana do Castelo. E porquê? Porque o seu reitor é o alto-minhoto Pe. José Caldas. Oriundo de Melgaço  foi o responsável pela Pastoral Juvenil da Diocese de Viana do Castelo, foi ele que liderou a organização da presença alto-minhota nas Jornadas Mundiais da Juventude em Roma, no ano do Jubileu, e em Toronto no ano de 2002. Em 2011, foi nomeado reitor Colégio Pontifício Português e é, desde 2008, Oficial da Congregação para a Educação Católica (um género de Ministério do Vaticano), sendo responsável pelo sector de língua portuguesa e espanhola das Escolas Católicas, bem como das Universidades Católicas e Faculdades Eclesiásticas de língua portuguesa.
Mas o Colégio Pontifício Português está ainda ligado à Diocese de Viana do Castelo através, por exemplo, do seu bispo D. Anacleto Oliveira que por lá passou quando era estudante da Universidade Gregoriana de Roma ou o Vigário Episcopal para a Doutrina da Fé e Catequese, Padre Doutor Vasco Gonçalves, que também lá passou aquando do seu doutoramento no Pontifício Instituto Pastoral “Redemptor Hominis” da Universidade Lateranense de Roma.

Autárquicas

As autárquicas 2013 fizeram as primeiras vítimas. Por Viana do Castelo, o presidente da concelhia do PSD, Carlos Vieira, demitiu-se por não concordar com o processo e para dar espaço à candidatura de Eduardo Teixeira. Assim parece estar esclarecida a proveniência de notícias que vinham a público de uma eventual candidatura de Daniel Campelo apoiada pelo PSD. Mas a agitação causada pelas autárquicas, em Viana do Castelo, não reina só no dentro do PSD. A maioria dos eleitos do CDS na Assembleia Municipal de Viana do Castelo declarou-se desagradada com decisão dos órgãos nacionais e distritais centristas de não permitirem uma coligação autárquica com o PSD e com a candidatura de Eduardo Teixeira. Abel Baptista, presidente da distrital centrista, já reuniu com Carlos Meira, presidente da concelhia, e prometem para breve novidades…
Por Ponte de Lima continua o blackout informativo em torno da candidatura do PSD, segundo se pode ir lendo na comunicação social, quer o actual presidente da Câmara quer outros destacados membros do CDS limiano já por várias vezes deram conta da sua curiosidade, os boatos já são alguns e muitos acham que a candidatura tarda. A verdade é que nunca é demais recordar que o PSD, em 2009, foi o primeiro partido a anunciar o seu candidato, cerca de um ano antes das eleições, e obteve o seu pior resultado de sempre em eleições autárquicas em Ponte de Lima.
Terminamos o périplo pelas autárquicas 2013 em Ponte da Barca. O candidato de 2009 do PSD, que durante 2012 se demitiu de presidente da concelhia e mais tarde de militante do partido, resolveu anunciar uma candidatura independente. O Socialista Vassalo Abreu,  actual presidente da Câmara de Ponte da Barca, deve ter respirado fundo. Esta candidatura será uma espécie de bolsa de ar, pois, por poucos votos que obtenha, poderá ser factor essencial para este se manter no cargo de presidente da Câmara de Ponte da Barca.

quinta-feira, Fevereiro 28, 2013

Artigo no Diário do Minho

Artigo publicado no Diário do Minho em 24-02-2013




   
Viva o Papa! 

O coração batia cada vez mais forte à medida que íamos passando as barreiras policiais. D. Jorge Ortiga, Arcebispo de Braga, liderava o pequeno grupo de 6 ou 7 pessoas que se dirigiam a passo apressado para os lados da Praça de S. Pedro. A cada passo dado, a emoção aumentava, o rugido da multidão fazia-se sentir, as sirenes das individualidades que chegavam de todo o mundo e todo o aparato que só a cultura italiana consegue impor a estes acontecimentos históricos provocavam o aumento exponencial do entusiasmo. 
Corria o ano de 2005 e na cidade de Roma estava prestes a iniciar a eucaristia da entronização do Papa de Bento XVI. Tive o privilégio de assistir e participar nesse histórico acontecimento. Naquele momento, ainda perdido, sentindo o vazio deixado pela morte de João Paulo II, estava curioso e expectante relativamente a este novo pontificado. Passados estes anos, apenas posso, fazendo minhas as palavras do Prelado do Opus Dei, D. Javier Echevarría, agradecer “a Bento XVI o seu rico e fecundo Magistério, e também o seu exemplo humilde e generoso de serviço à Igreja e ao mundo.” 
Desde o dia em que Bento XVI anunciou a sua resignação ao pontificado, foram vários os que logo se constituíram vaticanistas e começaram a dar palpites sobre o novo Papa. Pelo que pude ouvir e numa brevíssima amostragem, feita de memória, o novo Papa será novo, da Asia ou da América Latina, pese embora alguns vaticinem que sairá do continente africano… Pois o que eu tenho a dizer quanto ao novo Papa e às especulações de quem será, como crente, não serei esquisito, fico com quem o Espírito Santo quiser…

quarta-feira, Fevereiro 13, 2013

Artigo no Novo Panorama

Artigo publicado no Novo Panorama em07-02-2013






Desiludido

No meu último artigo sugeria ao leitor a apresentação da obra inédita de António Manuel Couto Viana intitulada "Para uma geografia literária do Alto Minho". Pelo que podia ler nas notícias, este livro, confiado ao Pelouro da Cultura do Município de Ponte de Lima para edição póstuma, seria uma obra que nos daria a conhecer alguns dos poetas e prosadores mais relevantes do entre Minho e Lima. A ideia era realmente boa…
Não pude ir à apresentação, mas conseguir adquirir um exemplar e confesso que fiquei desiludido. Pareceu que adquiri uma relação de nomes, alguns com uma brevíssima referência de três ou quatro palavras por vezes caídas sabe-se lá de onde. É um aglomerado de nomes que, sinceramente, me entristeceu, pois esperava mais.
Quer isto dizer que o Pelouro da Cultura do Município de Ponte de Lima fez mal ao editar este livro? Tal como está, talvez.
Leio com a minha filha o livro “Os Ciganos”, um conto inédito de Sophia de Mello Breyner Andresen, que algumas livrarias, nas suas páginas web, descrevem como um conto que se encontrava “inacabado, tendo Pedro Sousa Tavares, jornalista e neto da escritora, assumido a responsabilidade de continuar uma história sobre o irresistível apelo da liberdade, sobre a atracção pelo que está fora dos muros e pela descoberta do outro e suas diferenças”. Ou seja, estando inacabado, existiu a coragem de continuar o trabalho para produzir um livro digno, coeso, com princípio e fim.
O livro "Para uma geografia literária do Alto Minho" precisa urgentemente de quem lhe pegue, continue o trabalho e consiga fazer uma segunda edição, desta feita com mais informação sobre os poetas e prosadores alto-minhotos, não misturando o que não se pode misturar e relevando o que deve ser relevado. Um trabalho que poderia ser conduzido, por exemplo, por João Gomes d’Abreu que tem estado associado a títulos como “Figuras Limianas”.

Protocolo

Foi com satisfação que recebi a notícia de que seria assinado um protocolo entre a Irmandade de Santo António da Torre Velha e o Município de Ponte de Lima de forma a de, que, no futuro, o arquivo histórico dessa instituição para além de passar a ter uma política de preservação digital possa ser disponibilizado a toda a comunidade.
O Município de Ponte de Lima, através do seu pelouro da cultura, tem vindo a promover este tipo de protocolos com algumas instituições e arquivos particulares, seguindo uma política sensata que promove a preservação de um riquíssimo espólio informacional essencial para a investigação da nossa história colectiva.